MOBILIZAÇÃO AFRODESCENDENTE NA AMÉRICA LATINA E O CASO BRASILEIRO

Não obstante o longo trajeto das lutas dos movimentos afrodescendentes – os quais apresentam diferentes orientações ideológicas (desde os clubes que pretendiam provar a condição moral dos “negros” às reivindicações sobre a terra), sentidos programáticos e características geográficas –, os efeitos políticos, sociais e identitários configuram conquistas significativas. Depois do silenciamento racial que se verificou no pós-abolição, as políticas de branqueamento falhadas dos governos latino-americanos e o mito...

DESAFIOS E LIMITAÇÕES QUE SE COLOCAM PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS DESTINADAS ÀS COMUNIDADES AFRODESCENDENTES E MINORIAS ÉTNICAS EM PORTUGAL

Em Portugal, as políticas públicas para comunidades africanas e afrodescendentes, bem como para minorias étnicas, enfrentam o triplo desafio de desconstruir 1) o lusotropicalismo e o mito do bom colonizador, 2) a memória social de um país branco e católico e 3) a ilusão de pós-racialidade, i.e., de um país livre do racismo porque, no doce embalo da sua história colonial, teria produzido uma sociedade onde a condição...

O ESTADO DA COR EM PORTUGAL: INVISIBILIDADE, ESTADO-NAÇÃO E RACISMO NEGADO

Quando comparamos a experiência da mobilização «negra» em países como o Brasil em face do caso português, percebemos o quanto se perde no Atlântico e quanto os eventos históricos moldam as experiências identitárias. A história da presença africana no Brasil, a sua extensão demográfica e a forma como esta se transformou em resistência identitária, particularmente por via da religião, e mais tarde através das lutas afirmativas pela representatividade,...

O PERIGO DO “ANDA TUDO A GAMAR”

“É por isso que o “anda tudo a gamar” é a ideia mais perigosa em vigência na opinião pública, porque ela é um chamamento à legitimação do autoritarismo. “ Das narrativas e afirmações mais perigosas que conhecemos de André Ventura – e conhecemos-lhe várias, entre elas a de mandar para a sua terra pessoas com cidadania portuguesa, afirmando uma distinção com base na cor da pele, veiculando, assim,...

IMIGRAÇÃO, RSI E POPULISMO

“Vemos, ouvimos e lemos/ Não podemos ignorar”, como escreveu Sophia de Mello Breyner, sobre o impacto da globalização e dos fenómenos migratórios no recrudescimento do populismo de pendor nacionalista um pouco por todo o Ocidente. Em virtude de vivermos um tempo já comumente descrito como “bipolarizado” – o que traduz a perceção de que o meio-termo enquanto lugar de moderação e interpretação dos fenómenos se esvaziou, tendo-se perdido...

SILÊNCIO QUE A QUESTÃO É ÉTNICA (!)

Em Portugal temos um problema silencioso com as questões étnicas, as quais só vêm à tona por razões negativas, ligadas ao racismo e ao crime. Num paralelo referencial, Fischer, Grinberg e Mattos, num trabalho recente (link), mostram como o silêncio em relação à composição étnica da sociedade brasileira foi fundamental para imprimir a ideologia da democracia racial. A ausência de referências à “raça” no aparelho jurídico brasileiro impossibilitou...

Back to Top
error: Content is protected !!