/ Artigos

2020 — Quando a “Avamunha” não bate: o conflito como aspecto estruturante do Candomblé em Portugal, Antropolítica: Revista Contemporânea de Antropologia 48, 40-65 / link

2019 — Candomblé das Barreiras: análise de um terreiro reafricanizado, REVER – Revista de Estudos da Religião 19 (3), 117 – 135 / link

2019 — “Chuta que é macumba”: o percurso histórico-legal da perseguição às religiões afro-brasileiras, Sankofa 12 (22), 39-62. / link

2019 — “No Candomblé de antigamente”: nostalgia e autenticidade reclamada em terreiros de Salvador, Cadernos de História 19 (31), 234-254. / link

2019 — “É o nosso pedaço da África, uai”. A Bahia no imaginário candomblecista de Uberaba (MG), Trabalhos de Antropologia e Etnologia 59, 11-24. / link

2018 — O que não se altera pode ser alterado: a predestinação na África Yorùbá e nas religiões afro-brasileiras, Lusitania Sacra 37, 127-143. / link

2018 — Outros como nós: Sexualidade, nacionalidade e conflito no Candomblé em PortugalLusotopie 17 (1), 136 – 158. / link

2016 — ““Candomblé é a África”. Esquecimento e Utopia no Candomblé jeje-nagô”Cadernos de História 17, 26: 64 – 82.doi: 10.5752/P.2237-8871.2016v17n26p64

2016 — “Os filhos desterrados de Odùdúwà: A diáspora Yorùbá-nigeriana na cidade dos múltiplos encontros”, Rossio, 6: 108 – 116. /link

2015 — Ifanização ou para além da eficácia ritual: a construção da teologia entre os Yorùbá e no Candomblé jeje-nagô, Atas do I Congresso Lusófono de Ciência das Religiões. / link

2014 — “À cabeça carrego a identidade: o orí como um problema de pluralidade teológica”, Afro-Ásia, 49: 11 – 39. / link

2013 — “Orí O! A ideia de Pessoa, a Problemática do Destino e o Ritual do Borí entre os Yorùbás e um olhar ao Candomblé”, Horizonte 11, 29 jan/mar: 70 – 87. doi: 10.5752/P.2175-5841.2013v11n29p70

2013 —A religião se faz com a colheita da terra: problematização concetual de “religião” em África e o caso yorùbá”, Etnográfica 17, 3: 457 – 476. doi: 10.4000/etnografica.3303

2013 — “Dos “Nàgó” da Bahia aos “Pórtúgérè” de Lisboa: Um olhar sobre identidade e religião em diáspora”, Cadernos de Estudos Africanos 25: 183 – 205. / link

2013 —  “A Magia dos Negros. Revisão histórica e problematização conceitual de ‘religião’ no caso Yorùbá.”, Revista SANKOFA de História da África e de Estudos da Diáspora Africana, XI: 34 – 50.  / link

2013 — “«Em roma sê romano». O Candomblé como adaptação criativa e hibridismo, nas origens e no séc. XXI; Bahia, Lisboa e Berlim”Revista Lusófona de Ciência das Religiões, 18-19: 205 – 216. / link

2011 — “Pensar Deus em África: um problema de conceitos e mudanças”, Revista SANKOFA de História da África e de Estudos da Diáspora Africana da Universidade de São Paulo, 8: 83 – 96. / link

2011 — “A construção do monoteísmo africano: Mawu e Olódùmarè”, Finis Mundi,, 3: 229 – 244.


/ Recensão de Livros

2019 — Marx, Freud, fetiche, capitalismo e a religião iorubá,  recensão do livro The Fetish Revisited: Marx, Freud, and the Gods Black People Make, de James Lorand Matory. Afro-Ásia 60, 345-351 / link


/ Comunicações

2020 — Candomblé e Nostalgia, Sessão de encerramento do V Colóquio Internacional Culturas e Religiosidades Afro-Brasileiras, Univ. Lasalle (BR) / link

2020 — “Santo” na cabeça faz gênero?, 1º Seminário Internacional “Religião, A(fé)to e Sensibilidade: Gênero e Religiões de Matriz(es) Africana(s)” / link

2019 — Do racismo histórico e estruturante à invisibilidade das minorias no Diálogo Inter-religioso em Portugal, Seminário de Estudos Africanos – Pensar África / link

2019 — A vida que sustenta a vida: o sacrifício e a alimentação no Candomblé, Encontro «Ajuda em Diálogo II» / link

2018 — O problema de definir religião em contexto africano: uma aproximação a partir dos casos yorùbá e fon, Workshop «O Estudo das Religiões em Africa – Questionamentos conceptuais, desafios metodológicos».

2017 — O passado composto no Candomblé da Bahia – o “antigamente” como lugar de memória e aporte político, II Congresso Lusófono de Ciência das Religiões.

2016 — “Alôxê mi, Agué mirô”. Hibridismo e invenção da tradição no candomblé do Engenho Velho,  II Colóquio Doutoral ISCTE-IUL.

2016 — Nostalgia, Reafricanização e Estética o que diz o povo de santo de Salvador e Uberaba, Seminário de Estudos Africanos – Pensar África. /link

2015 — “Ifánização ou para além da eficácia ritual: A construção da teologia entre os Yorùbá e no Candomblé jeje-nagô, Congresso Lusófono de Ciência das Religiões.

2015 — “Candomblé é a África”. Esquecimento e Utopia no candomblé jeje-nagô, International Conference Transcultural Amnesia: Mapping Displaced Memories.

2015 — “O que não se altera pode ser alterado: a predestinação na África Yorùbá e nas religiões afro-brasileiras”, workshop «Entre o destino e a liberdade: o percurso histórico do problema da predestinação».

2014 — “Entre as águas sagradas de Yemonjá e as do cais da Bahia: Ressonâncias topoanalíticas em Mar Morto”, 2ª JORNADA INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE O ESPAÇO LITERÁRIO (JOEEL).

2014 — “Religiões Afro-Brasileiras e Luso-Africanismo: Permanências e deslocamentos no imaginário religioso português”, Congresso Portugiesische Identitäte: Positionen und Visionen.

2013 — “Em Roma sê romano“: O candomblé como adaptação criativa e hibridismo nas origens e no século XXI: Bahia, Lisboa e Berlim, Simpósio Religion und soziokultureller Wandel in der lusophonen Welt.

2013 — “Vou fazer minha obrigação” – Tradição, Dever e Fazer em contexto Yorùbá e no Candomblé de matriz Jeje-NagôColóquio “O que é religião em África? Identidade, Pertença e Prática Ritual”.

2012 — “Orixás de Amado: o imaginário africano em Jubiabá.”, Colóquio Internacional 100 anos de Jorge Amado. O Escritor, Portugal e o Neorrealismo

2011 — Adés: homossexualidade como operadora de mudança no Candomblé, Colóquio “Homossexualidade e Religião: tensões e inclusão, o case-study do Candomblé”.


/ Livros & Capítulos

2020 — Meu Santo Orixá: revisitando o lugar do sincretismo no Candomblé, Igbá Ábídí–publicação de estudos afro-religiosos, Instituto Ìṣẹṣ̀ẹ para o Estudo dos cultos Òrìṣà e Vodun, vol.1, ed. e-book / link

2018 — “Estilos de ser filho-de-santo: reconfiguração ortopráxica e impressionismo no Candomblé em Portugal”. In Estudos africanos, diálogos diásporico, ed. Marcelo Pagliosa, 6-15, Brasil: Editora da Universidade Federal do Maranhão.

2017 — “Araketure Faraimorá”: Yorubanidade no Candomblé Brasileiro, Uma Permanente Recriação; e o Caso Exemplar do Ilê Odô Ogê. In The Yoruba in Brazil, Brazilians in Yorubaland : Cultural Encounter, Resilience, and Hybridity in the Atlantic World, ed. Niyi Afolabi e Toyin Falola, 245 – 260, EUA: Carolina Academic Press.

2017 — Nos trilhos do pensamento religioso Yorùbá. ed. 1, ISBN: 978-989-757-041-4. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas. / link

2012 — Candomblé em Português. História. Organização. Teologia.. ed. 2, ISBN: 978-989-97829-0-7. Lisboa: Asèwétà | Comunidade Portuguesa do Candomblé Yorùbá.

Back to Top